Significado das cores no cinema

If it’s purple, someone is gonna die. Esse post é inspirado na palestra do Conacine sobre o significado das cores no cinema, baseada no livro de Patti Bellantoni “Se está roxo, alguém vai morrer“, em tradução livre.

Os cientistas hoje praticamente classificam a luz como uma droga. O corpo da gente reage de maneiras diferentes de acordo com a incidência de luz, seja cromoterapia, seja pelo nosso hábito de remover as luzes azuis do celular durante à noite para não atrapalhar o sono.

As artes em geral, especialmente o cinema, já perceberam isso há tempos, e nesse post, estão elencadas alguns exemplos do uso das cores no cinema e suas representações. Não se tratam de regras absolutas que devem ser seguidas a todo custo, mas sim de cores carregadas de um simbolismo histórico que podem auxiliar na transmissão da narrativa.

____________________________________________________________________________________________________

VERMELHO

Começando pelo vermelho, que tende a conceder maior energia, geralmente relacionada a violência, paixão, sexo, atenção, alerta, perigo. Ele possui subtons mais comuns, que podem ser relacionados a alguns sentimentos específicos.

Aqui novamente é importante ressaltar que não se trata de uma situação em que sempre que aparecer determinado subtom de vermelho, algo específico irá acontecer, como sugere o título do livro de Patti Bellantoni. Mas se existe um personagem ou uma situação com determinadas características, o mais plausível é que sua cor correspondente apareça. É a situação que domina o filme, e não a cor. No entanto, diversos diretores optam por se apoiar no significado das cores e usam desse artifício como uma marca do seu estilo.

O primeiro subtom de vermelho que vamos ver é o vermelho do poder.

Vermelho do poder

O vermelho do poder é menos alaranjado e mais azulado. Tem relação com a realeza, com posições de destaque e protagonismo. Foi bastante explorado no filme Drácula de Bram Stoker (1992), do Coppola.

Vermelho do poder em Drácula de Bram Stoker

O Mágico de Oz (1939) é um filme marcado pela transição do cinema preto e branco para o cinema colorido, filmado todo em technicolor, porém inicia em preto e branco. A película só passa a ser colorida no momento em que os personagens chegam até a cidade de Oz.

Os sapatos da protagonista são vermelhos

Quando a protagonista Dorothy recebe os sapatinhos de presente da bruxa de Oz, eles são especialmente impactantes devido ao seu subtom poderoso, reafirmando sua posição de líder do grupo.

Vermelho da luxúria

Um pouco mais alaranjado que o vermelho do poder (apenas um pouco), o vermelho da luxúria é de uso bastante comum, frequentemente relacionado à prática sexual.

Pétalas vermelhas na cena de casal em Deadpool

Vermelho romântico

Embora parecido com o vermelho da luxúria, o vermelho romântico aparece em situações amorosas que não necessariamente culminam em sexo. Pode inclusive surgir nas cenas em que apenas uma das partes do casal está interessada. Em O Tigre e o Dragão, o subtom de vermelho da luxúria aparece associado ao personagem masculino trazendo toda a paixão que lhe é característica durante todo o filme, envolvendo também o personagem feminino. Aqui, o limiar entre vermelho romântico e vermelho da luxúria se perde, e há o que pode-se chamar de um excesso de vermelho na tela, possivelmente caracterizando a presença dos dois vermelhos juntos.

O Tigre e o Dragão

Vermelho desafiador

O subtom dos rebeldes é o vermelho desafiador. Desse ponto em diante, os subtons começam a se confundir. Aqui fica mais claro que não é a tonalidade exata que importa, mas a sua relação com a cena.

Malcom X com subtom de poder em momento romântico

Em Malcom X, o protagonista aparece com tonalidades de vermelho menos ou mais abertas, em momentos de poder ou de amor, não necessariamente no subtom que se esperaria para aquela situação. Isso ressalta o sentimento de rebeldia presente no personagem.

Malcom X com subtom alaranjado do vermelho da luxúria em momento de disputa de poder

Malcom X frequentemente aparece usando uma tonalidade inesperada para a cena. Mas é claro! Ele é rebelde! Na cena romântica, ele surge com o vermelho do poder, enquanto na cena em que desafia outro personagem, é o vermelho da luxúria que aparece. Seria muita ingenuidade achar que foi um mero descuido da produção. Aqui o vermelho está em função da rebeldia do protagonista, é o momento do vermelho desafiador.

Vermelho da Ansiedade

Associado também ao medo, o vermelho da ansiedade surge sempre que o garotinho que vê gente morta em O Sexto Sentido está prestes a ver um fantasma. Não é à toa que o balão de It, a Coisa também é vermelho.

O balão vermelho de It, A Coisa remete ao vermelho da ansiedade e do medo

Em Corra, Lola, Corra, o vermelho é usado em profusão na intenção de garantir mais energia e ansiedade para a protagonista que passa o filme inteiro correndo para salvar o namorado. O filme inteiro é enérgico, marcado por câmeras muito rápidas.

Corra, Lola, Corra

A personagem que já aparece completamente envolvida por vermelhos em sua casa, seja no cabelo, no quarto ou no telefone, vai encontrando novos tons de vermelho pelo caminho que garantem a ansiedade da sequência.

Vermelho da violência

Também é de uso bem comum, o vermelho da violência aparece sempre que espera indicar cenas violentas e agressivas, mas não necessariamente vinculadas à morte. Sempre que a violência for mais relevante para a narrativa que a morte em si, o vermelho prevalecerá.

Todos os bares de máfia dos filmes do Martin Scorcese são repletos de vermelho, por exemplo.

Mais um bar de máfia em um filme do Martin Scorcese

Tarantino é famoso por seus filmes sanguinolentos e temos um reflexo disso nas cores de uma cena que antecede o momento de uma perseguição coberta de sangue, em Pulp Fiction, com um dos personagens envolvidos “mergulhado” em vermelho.

Bruce Willis em Pulp Fiction envolvido pelo vermelho da violência

É muito vermelho

Alerta de spoiler! Quando Kylo Ren desafia Snoker em Star Wars: The Last Jedi, a sala está preenchida com uma quantidade absurda de vermelho, que representa bem o alto grau de rebeldia presente no rapaz, mas também representa a sobreposição de vermelhos. A cena também é muito violenta e também traz uma carga grande de ansiedade. São todos “sentimentos vermelhos”. Tem muito vermelho porque tem muita necessidade de vermelho.

Star Wars: The Last Jedi, Kylo Ren desafiando Snoker

____________________________________________________________________________________________________

AMARELO

Amarelo é a cor que remete ao alerta de cuidado e atenção. Existem insetos venenosos com marcas amarelas, no entanto, a cor não nos remete o risco de ataque, como faz o vermelho da violência. O amarelo fica no momento de alerta, como uma mensagem de “não mexa comigo, que eu não mexo com você”. Assim como o vermelho, ele possui algumas formas diferentes de interpretação. A primeira delas é o amarelo exuberante.

Amarelo exuberante (amarelo do sucesso)

O amarelo do sucesso traz um desejo de ser grande, bem sucedido. Uma vontade de chamar a atenção. Novamente, em O Mágico de Oz, a estrada de tijolos amarelos remete a um caminho para o sucesso.

Estrada de tijolos amarelos rumo ao “sucesso” em O Mágico de Oz

Amarelo da obsessão

Em Taxi Driver temos um dos personagens mais obsessivos do cinema e ele aparece sempre cercado desse amarelo da obsessão, inclusive o próprio táxi é amarelo.

Amarelo da ousadia

O uniforme amarelo da protagonista de Kill Bill é um exemplo bom de amarelo da ousadia e também do amarelo da obsessão, com o foco gigantesco da Uma Thurman em encontrar o Bill e assassiná-lo. O personagem dela está se escondendo, não deveria estar usando uma cor que chama tanta atenção, e por isso que este uniforme amarelo ganha ainda mais força na representação.

Amarelo da ousadia e amarelo da obsessão em Kill Bill

Amarelo da inocência

Mais próximo do amarelo do sucesso, o amarelo da inocência remete à ingenuidade e ao sonho de um futuro “dourado”, onde tudo dará certo, para o qual é imprescindível uma boa dose de inocência.

Amarelo da inocência em Moonrise Kingdom

Amarelo de alerta

Em Django Livre, de Tarantino, o amarelo de alerta aparece logo no início do filme, em uma lanterna que ilumina demais uma parte da carroça onde não há nada. A luz parece colocada em um lugar separado, só para ela, de forma que ganhe destaque e passe a mensagem claramente. Tarantino usa esses artifícios de maneira tão bruta e artificial que chega a parecer tosco e canastrão, exatamente como as “ficções baratas” que ele sempre diz que o inspiraram.

Um lugar especial para o amarelo em Django Livre

Amarelo da iluminação espiritual

Bem aproximado do dourado, o amarelo de iluminação espiritual traz uma áurea de santidade e heroísmo para a cena, como praticamente durante todo o filme em Apocalypse Now, ou nos momentos de revelação das novas descobertas científicas em Blade Runner.

Blade Runner

Amarelo idílico

O amarelo idílico traz um pouco do amarelo da inocência e do amarelo da iluminação espiritual, dessa vez com um caráter mais puro e bucólico, com a simplicidade da vida do campo. Um bom exemplo está em Gladiador, ou em Drive, onde o personagem enfrenta momentos tristes o tempo inteiro e o único momento feliz acontece exatamente no campo.

Cena da felicidade bucólica repleta de amarelo idílico em Drive

____________________________________________________________________________________________________

Azul

Frequentemente associado à tristeza, o azul vem carregado de frio, indiferença e incapacidade.

Azul da impotência

O azul da impotência vem carregado da sensação de prisão e incapacidade, frequentemente se opondo ao amarelo do sucesso. Em Um Sonho de Liberdade, temos diversos tons de azul no presídio, em uma atmosfera de frieza e diversos subtons da cor.

Um Sonho de Liberdade

Azul cerebral

Mantendo uma distância clara das emoções, o azul cerebral é a visão racional das situações e chega a ser uma visão psicopata das cenas. É capaz de retratar uma distância emocional tão grande que traz a ideia de dificuldade em se conectar com as emoções.

Para sobreviver à solitária, Malcom X deixa de lado as emoções sob a luz da razão

Azul quente

Apesar de comumente frio, é possível transformar o azul em uma cor quente, graças à sua característica artificial. Em 500 dias com ela, quando o protagonista finalmente consegue fazer sexo com “ela”, ele sai na rua comemorando, “parecendo que viu um passarinho azul”. Note que o tom do azul aqui aparece transformado, não é o subtom que estamos acostumados a ver normalmente no dia a dia. Inclusive o próprio passarinho é “artificial”.

Azul transformado em 500 Dias Com Ela

Azul frio

De volta ao seu habitat natural, o azul frio traz a melancolia frequentemente em contraponto à felicidade. Em Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças isso acontece especialmente durante as brigas do casal, no momento em que eles estão juntos, o ambiente traz uma luz amarela ou vermelha, mas quando se separam, é o azul que toma conta do lugar. Em Moulin Rouge, quando o poeta está tentando escrever a peça mas não consegue, a máquina de datilografar é coberta por uma luz azul, assim como ele.

____________________________________________________________________________________________________

LARANJA

O laranja é a primeira das cores secundárias que iremos explorar. Ele tem características mais ácidas, apimentadas, quentes mas também adocicadas. O vermelho mais alaranjado é mais romântico e menos frio, poderoso e opressor. O laranja traz um pouco da inocência e do desejo de sucesso do amarelo.

Laranja quente

A cena do casamento em O Poderoso Chefão tem uma fotografia sépia, repleta de laranja, para garantir menos violência e mais sensação de família ao ambiente. O objetivo é mostrar o máximo de candura possível ao Padrinho, que no caso, o laranja é o máximo até onde ele vai.

Laranja romântico

Acompanhado do vermelho romântico, o laranja romântico sugere uma ausência de violência e de disputa pelo poder em uma relação ou ambiente. Em Drive, há uma cena clara em que a personagem feminina está envolta em laranja romântico, totalmente desarmada, enquanto aquele que seria o seu par romântico, olha pra outro lado, envolto em azul, permanentemente triste e melancólico.

Laranja tóxico

Em Apocalypse Now você literalmente tem o agente laranja, que é um gás tóxico que é capaz de matar as pessoas. Em Blade Runner 2049, quando o andróide chega em Las Vegas que está completamente tomada pela radiação, a cidade é banhada de laranja tóxico.

Blade Runner

____________________________________________________________________________________________________

VERDE

significado das cores no cinema verde

O verde é considerado a cor da dupla personalidade porque pode ser o verde da natureza, que transmite alegria, e ao mesmo tempo, o verde da decomposição, da carne estragada, do mofo… Essa dualidade moral está presente em seus diversos subtons.

Verdes saudáveis

Todas colinas verdejantes são bons exemplos de verdes saudáveis, como aquelas da Noviça Rebelde.

Verdes ambivalentes

Os tons de verde presentes em cenas com iluminação mais baixa geralmente levam a uma sensação de mistério e dualidade, referentes a caminhos que podem ser muito bons e muito ruins ao mesmo tempo, afinal, tudo tem um preço. Na cena de Pulp Fiction em que o John Travolta entra na casa da esposa do seu patrão, onde uma situação bastante desastrosa está prestes a acontecer, vemos uma profusão de plantas onde está presente este verde ambivalente.

verde ambivalente em Pulp Fiction
verde ambivalente em Pulp Fiction

Verdes vitais

Em O Resgate do Soldado Ryan, na cena final onde vemos o personagem que sobreviveu à guerra, ele aparece exatamente no cemitério, mas é essa uma das cenas mais coloridas e vivas do filme, que se passa em sua maior parte na guerra, sempre com fumaça e tons de cinza. Aqui de novo, a dualidade do verde, marcada por essa natureza cíclica, onde o mesmo verde que “desabrocha” também se decompõe.

Verde vital em O Resgate do Soldado Ryan
Verde vital em O Resgate do Soldado Ryan

Verdes venenosos

Basicamente todos os venenos do cinema são verdes. É claro que não é uma regra compulsória, mas é um padrão seriamente seguido pela maioria dos diretores, seja consciente ou inconscientemente. O exemplo a seguir é da Disney, com Branca de Neve e Os Sete Anões.

Verde venenoso em Branca de Neve
Verde venenoso em Branca de Neve

Verdes da corrupção

Em Taxi Driver, na cena que ele leva a moça ao cinema e se trata de um filme pornô, por pura falta de noção do personagem, a tela mostra um ambiente esverdeado e decadente, com letreiros caindo e manchas na parede. O verde da corrupção aqui traz a ideia de falta de decência, de dignidade, um ambiente que já foi deslumbrante um dia, mas que agora está tomado pela decomposição.

Verde da corrupção em Taxi Driver
Verde da corrupção em Taxi Driver

____________________________________________________________________________________________________

ROXO

Por ser uma cor pouco presente na natureza, o roxo também traz um pouco de estranheza e artificialidade, numa referência metafísica de algo além da vida, algo espiritual.

Roxo Fantástico

O filme Chicago, que inclusive é a capa do livro If it’s purple someone is gonna die, tem uma cena clássica onde todos estão dançando em um palco semelhante ao de um cabaré, e apesar de ser uma cena muito viva, sensual e festiva, o roxo traz um peso ao ambiente, exatamente porque há um assassinato ocorrendo naquele momento.

Roxos místicos

Em a Branca de Neve e os 7 anões, a bruxa veste roxo e o rosto humano que conversa com ela de dentro do espelho é completamente roxo, explorando bastante essa característica sobrenatural da cor.

Roxos sinistros

Em Gladiador, na hora que é ordenado o massacre, todo o exército aparece encoberto por uma luz roxa, e em Apocalypse Now, apesar de utilizar um tom mais aberto, o roxo surge como um anúncio de um futuro macabro se aproximando, com as pessoas aparecendo com os rostos com um tom de verde de decomposição e todo o filme vai seguindo uma cinematografia cada vez mais sinistra.

__________________________________________________________________________________

É isso! Esse post foi inspirado na palestra do Fernando Imperator para o Conacine, baseado no livro If It’s Purple Someone Is Gonna Die, de Patti Bellantoni. Assim como quase todos os posts no Geek Plus Size, este post é o meu resumo sobre a aula e eu espero que ele seja tão útil para vocês como foi pra mim.

Se você tem alguma dúvida, por favor deixe um comentário. Eu gostaria muito de encontrar pessoas para conversar sobre este tema.

Leave a Comment